Artigos
Drenagem Linfática para Gestantes
Estreptococo na gestação
Perda de peso pós-gravidez
Desconfortos comuns na gestação
Cartilha orienta gestantes
A Importância do Pré-Natal
Aborto e aborto habitual
Slings para carregar bebês
Fisioterapia no trabalho de parto
Ultra-sonografia na gestação
A Importância do Pré-Natal
IMC e peso na gravidez
Shantala, massagem indiana milenar para seu bebê
Treinamento do assoalho pélvico pós-parto
A maternidade depois dos 35 anos
Atividade física na gestação
Varizes e inchaço na gestação
Lombalgia na Gestação – Dá para evitar?
Cuidando dos dentes na gravidez
Alterações endócrinas na gestação
Exercícios Respiratórios
Depressão Pós-Parto

Bicho da Rua

Relacionamentos Pós-Separação

Autor: Drika Cordeiro

O fim dum relacionamento duradouro é um momento difícil...

RELACIONAMENTOS PÓS-SEPARAÇÃO

O fim dum relacionamento duradouro, principalmente depois de alguns anos, é um momento difícil para os dois. Se o relacionamento já tinha chegado ao casamento, mais difícil será a separação daqueles que se amavam. O fim é difícil até mesmo para aqueles que não queriam mais estar juntos com o outro.

Os recém-separados redescobrem quem são individualmente, pois com o relacionamento, os casais conhecem a personalidade de dois juntos e não individualmente. Quando são compatíveis, eles se tornam muito parecidos, pensam as mesmas coisas, sentem as mesmas coisas, o projeto de vida é o mesmo. Reconhecer-se sozinho é um susto para aqueles que têm o reencontro consigo mesmo após o fim.

A sensação é estranha, sente-se um vazio que não pode ser preenchido facilmente. É uma dor esquisita. Mais inusitado ainda é perceber que sente essa dor mesmo quando o que mais queria enquanto estava na relação era o seu fim.

O indivíduo volta-se para dentro de si, verifica se aquele restaurante que gostavam de ir, agora solteiro, tem o mesmo sabor. Será que ele realmente gostava ou gostava porque ela adorava? De fato, aqueles que saíram duma relação de longa data iniciam a sua redescoberta e se vêem diante da vida de solteiro. O que fazer? Quem tem amigos, recorrem a eles.

Cada pessoa reage de uma maneira. Algumas querem ficar reclusas por um tempo, outras querem espairecer, sair para esquecer, e outras querem preencher o vazio com outra pessoa. Não há melhor saída, cada uma deve reagir de acordo com sua natureza, como o seu corpo suporta, como sua mente determina. Já pregamos que o melhor remédio para paixão é outra. Não mudamos de idéia, mas estamos separando a paixão do amor. Se o relacionamento não foi tão profundo, ainda que longo, se não houve verdadeiramente amor, encontrar outra paixão correspondida fará acabar com o sofrimento.

Todavia, sair de um relacionamento intenso e duradouro não é tão simples quanto aquele. Por isso, cada um reconhecerá a si e seguirá o caminho que a mente lhe trilhar.

 A temática que queremos seguir é sobre a análise da situação de uma pessoa iniciando um relacionamento com alguém recém-separado de um relacionamento intenso e duradouro. Como referido, há pessoas que encontram como saída do sofrimento o relacionamento com outra pessoa, para preencher o vazio. A questão é analisar se isso fará bem àquela que foi escolhida pelo (a) recém-separado (a).

Há muitos casos de pessoas que sofreram ao se relacionar com os recém-separados. Elas encontram o indivíduo aos pedaços, sofrido. Elas o ajudam a se recompor, a se reconhecer novamente como indivíduo separadamente, dão todo o apoio necessário, desenvolvem, assim, uma nova relação.

O que muitos não percebem é que essa pessoa está voltando a reconhecer sua individualidade e é esse o seu objetivo inicial. Para isso, usam o suporte de um novo relacionamento, mas não se entregam totalmente a ele. Eles precisam antes se recompor. Além disso, o medo está presente: como o sofrimento tem sido muito grande, envolver-se novamente da mesma maneira é contra o seu instinto de preservação. Ele não quer se machucar novamente.

Por essa razão, ele desenvolve ou cria uma nova maneira de se relacionar, bem diferente da anterior, e é esse tipo de relacionamento que ele quer ter com essa pessoa que tanto o tem ajudado. Entretanto, aquela que foi escolhida para essa nova fase da vida não vê o relacionamento da mesma forma, na verdade, ela quer viver a mesma intensidade que ele viveu. Gerou-se, então, o conflito de interesses. Cada um se interessa por um tipo de relacionamento que não são compatíveis.

A conseqüência irremediável é o fim dessa nova relação. Mas essa não é a única possibilidade. Pode também o (a) recém-separado (a) usar o apoio da nova relação e se redescobrir. Às vezes, um relacionamento pode terminar porque os participantes não se reconheciam mais como pessoa individualizada e sentiram-se sufocadas. Voltando a se reconhecer, o casal pode conseguir uma reaproximação e quem sofrerá será a terceira pessoa que entrou no “barco furado” com as melhores intenções.

O que pode acontecer também é a separação ter sido motivada por brigas demasiadas que desgastaram a relação. Mas o amor ainda existe em ambos. Com o novo relacionamento, o casal respira e sua relação anterior ganha novos ares. Eles sentem saudades um do outro e voltam a ficar juntos.

Há pessoas que se sentem tão gratas àquela terceira pessoa que não conseguem terminar a segunda relação, e permanece com dois relacionamentos ao mesmo tempo. Outro motivo para permanecer em duas relações é o comodismo ou o medo de que os problemas voltem no casamento ou na relação duradoura.

De qualquer modo, a terceira pessoa que ajuda o (a) recém-separado (a) é quem, no linguajar comum, “paga o pato”. Por essa razão, alertamos as pessoas que conheçam muito bem o (a) recém-separado (a) antes de se envolverem. Dêem todo o suporte de que ela precisa, mas não se envolva rapidamente. Dificilmente você conseguirá verificar qual a causa do fim do relacionamento ou o que essa pessoa está procurando, pois nem ela sabe. Quanto mais você conhecer sobre a vida dele (a), sobre a vida de casados, sobre o (a) parceiro (a) anterior, mais você terá como analisar e se precaver de sair ferido (a).

Não recomendamos que você deixe de se relacionar com pessoas que acabaram de sair de relacionamentos duradouros e intensos, apenas recomendamos muita cautela, que não se entregue tão facilmente. A cautela tem que ser ainda maior se esse relacionamento findo era um casamento, pois até que o divórcio ocorra (a ou até depois), os casados podem querer tentar novamente.

Não se entregue totalmente, sinta o terreno aos poucos, dê-lhe liberdade e exerça sua liberdade nesse relacionamento com pessoa recém-separada. Avalie bem se ela é quem você procura, se vale a pena dar tempo para que o recém-separado se recupere.

A palavra de ordem, portanto, é cautela.

 

Autor: Drika Cordeiro
E-mail: drikacordeiro@gmail.com


Gostou? Clique no +1

Beleza | Atividade Física | Gestantes | Incontinência Urinária | Maturidade | Nutrição | Psicologia | Saúde

mulhersaudavel.com.br
Saúde e Beleza - incontinencia urinaria, fisioterapia, tratamento, gestante, exercicios
O fim dum relacionamento duradouro é um momento difícil, mulher, relacionamento, duradouro, difícil
contato@mulhersaudavel.com.br

Hospedado por Oxyhost