Artigos
EAS ou exame de urina tipo I
Clareamento dental
Mastalgia e Drenagem Linfática Manual
Tratamento do Linfedema após câncer de mama
Como cuidar da higiene íntima
É fácil ter uma vida saudável
Meditação e colesterol
Obesidade na adolescência
Calor ou Frio contra a dor?
Disfunção erétil
Fisioterapia e Sexualidade
Tensão pré-menstrual - TPM
Endometrioma
Mês da Mulher: maneiras de prevenir o câncer nas mulheres
IMC e risco de doença cardiovascular
Endometriose
Mioma
Pilates clínico
Acupuntura
Osteoporose: uma doença silenciosa
Derrame - Como detectar um AVC e salvar uma vida
Combate à dengue
Dermatoscopia
O que é vaginismo?
Teste para avaliar dependência de nicotina
PILATES
HIPERIDROSE
Mioma Uterino
Conheça o cigarro por dentro
Doenças do Tabaco
Entenda a Endometriose
Entenda AIDS e HIV
Diabetes Tipo 2
Nódulo de tireóide, quando puncionar?
Diabetes Tipo 1 – tudo o que você deve saber
Células-Tronco : O que é verdade?
Cálculo renal – Pedra nos rins
DIU - Dispositivo Intra-Uterino
Sono e Saúde
O que são as DST?
Ajuda ao planeta
Erosão dentária
Acupuntura
Biofeedback
Shiatsu
Tire suas dúvidas sobre osteoporose
Osteoporose: Previna-se o quanto antes
Entendendo a Dor
O que é o HPV?
Laserterapia no tratamento do Herpes Labial
Tratamentos da Doença de Parkinson
Osteoartrose (artrose)
Doença de Parkinson
Trombose Venosa Profunda
Tireóide
LER
Auto-Exame de Mama
Aquecimento global

Bicho da Rua

Entenda a Endometriose

Autor: Dr. Edvaldo Cavalcante

Tudo o que você quer saber sobre endometriose.

O que é?

Endometriose é  uma  doença crônica  caracterizada  pela  presença de tecido endometrial (membrana que  recobre o útero internamente) fora da cavidade  uterina (localizado dentro do  abdômen ) ou  podendo  ainda penetrar na  musculatura do útero (adenomiose).

Pode se localizar em  diferentes  locais: nos  ovários (formando cistos ), nas  tubas (“trompas”), na parede que reveste a cavidade abdominal (peritôneo) , no  próprio útero (adenomiose),  na bexiga  e no intestino.

Quais os sinais e sintomas?

Clinicamente  pode  apresentar-se  como  dor pélvica  e/ou  infertilidade. 

A  dor  pode  expressar-se sob a  forma de cólica menstrual ou  pré-menstrual,  dispaurenia de  profundidade (dor na relação sexual), dor a micção (urinar)  e/ou evacuações dolorosas. 

Além do sofrimento físico causado pelos sintomas, a endometriose provoca um impacto negativo na vida da mulher, alterando seu rendimento profissional, sua relação familiar e afetiva, reduzindo sua qualidade de vida e principalmente sua auto-estima.

A relação entre a endometriose e a depressão já foi identificada, sendo que níveis mais elevados são encontrados em mulheres com dor crônica.

Alguns  autores  sugerem um  perfil  psicológico da  mulher  endometriótica:  Acredita-se que essas mulheres apresentam certas características emocionais perceptíveis na prática clínica: elevado coeficiente intelectual, perfeccionismo, egocentrismo, ansiedade e estresse psíquico.

Quando  suspeitar  de  endometriose? 

•    Mulheres  com  histórico de dor pélvica crônica e/ou  infertilidade (isso é , mulheres que estão tentando  engravidar  por  um período maior  que  1 ano,  sem  sucesso).

•    Mulheres  que apresentam insucesso com o  tratamento clínico, isso é, mesmo  após uso de medicação (antiinflamatórios, anticoncepcionais hormonais, etc)  continuam apresentando dor pélvica.

•    No caso específico da adenomiose, alem das cólicas, pode-se observar aumento do  fluxo  menstrual. Encontrado principalmente em  mulheres com  prole constituída (2-3 filhos).
.
    Incidência

A endometriose pode estar presente em aproximadamente 15% da população feminina em idade reprodutiva.

Estima-se  que a  endometriose  seja  responsável por  35% dos casos de infertilidade feminina e 40 % das queixas de dor pélvica crônica.

Em  adolescentes (11-22 anos de idade ) com dor pélvica crônica sem melhora com o tratamento clínico, encontra-se na literatura uma incidência de endometriose que varia de 20-65%.


    Quando  procurar  um  especialista?

•    Quando  você observar qualquer  uma das alterações  descritas  acima, ou
•    se você tem algum dos sintomas acima, já foi tratada e não obteve sucesso, vale a pena conversar com seu médico sobre a possibilidade de uma investigação mais minuciosa, com uma videolaparoscopia, por exemplo.
       
Alguns  estudos  demonstram que,  a média entre o  aparecimento dos primeiros sintomas  e  o diagnóstico  definitivo da  doença, leva em  torno  5/6 anos.


Dr. Edvaldo Cavalcante
Especialista em Videolaparoscopia/Histeroscopia e Ginecológica -
Mestre Assistente do Setor de Vídeo Endoscopia Ginecológica – UNIFESP

- Contato:

R. Mato Grosso, 306 – Conj. 1602 – Higianópolis  - Fone: (11) 2114-6080 – SP-SP

Av. Portugual, 1629 cj 62  Brooklin  - Fone: (11) 5044-2821   – SP- SP
e-mail: medcavalcante@terra.com.br

Autor: Dr. Edvaldo Cavalcante
E-mail: medcavalcante@terra.com.br


Gostou? Clique no +1

Beleza | Atividade Física | Gestantes | Incontinência Urinária | Maturidade | Nutrição | Psicologia | Saúde

mulhersaudavel.com.br
Saúde e Beleza - incontinencia urinaria, fisioterapia, tratamento, gestante, exercicios
Tudo o que você quer saber sobre endometriose., mulher, endometriose
contato@mulhersaudavel.com.br

Hospedado por Oxyhost